PF realiza operação contra fraudes em previdências municipais em MT

PF realiza operação contra fraudes em previdências municipais em MT

No final da manhã, o Município divulgou nota sobre a investigação (leia abaixo).

A operação foi nomeada como Encilhamento e é a segunda fase da Operação Papel Fantasma.

A Polícia Federal cumpriu nesta quinta-feira (12) mandados de prisão e de busca e apreensão em Piracicaba (SP), Hortolândia (SP), Jundiaí (SP), Paulínia (SP) e Rio Claro (SP).

Cento e quarenta policiais federais cumprem 10 mandados de prisão preventiva e 21 mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, em São Paulo e no Distrito Federal.

Conforme a PF o objetivo é apurar fraudes envolvendo a aplicação de recursos de institutos de previdência municipais em fundos de investimento que contém, entre seus ativos, debêntures sem lastro, emitidas por empresas de fachada.

More news: "Missão cumprida", comemora Trump após ataque à Síria

Segundo o jornal O Globo, entre os alvos está o lobista Milton Lyra, já citado como operador de políticos em operações anteriores; Marcelo Sereno, que já foi secretário nacional de comunicação do Partido dos Trabalhadores (PT); e Arthur Pinheiro Machado, suspeito de ser operador e criador da Nova Bolsa, que teria recebido aportes financeiros dos fundos de pensão investigados.

De acordo com a PF, com o avanço das investigações, foram identificados 28 Institutos de Previdência Municipais que investiram em fundos que, direta ou indiretamente, adquiriram os papéis sem lastro. A quantia equivale a mais da metade dos recursos do instituto de previdência do município. Os nomes dos suspeitos não foram revelados, mas os mandados de prisão foram cumpridos nos bairros do Bom Jardim e Jardim Samambaia.

A Polícia Federal realiza duas operações contra desvios em fundos de aposentadoria.

No 2º semestre de 2016 foi constatada a existência de R$ 827 milhões em apenas oito destes fundos, dinheiro que, em última análise, destina-se ao pagamento das aposentadorias dos servidores municipais. Chamados de títulos podres, as debêntures emitidas podem ultrapassar o valor de R$ 1,3 bilhão ao englobar os 20 institutos investigados juntamente com o Hortoprev e Pauliprev.

Related Articles