Trump avisa Rússia para se preparar para o ataque à Síria

Trump avisa Rússia para se preparar para o ataque à Síria

Pouco depois do post em tom de ameaça, Trump faz um novo comentário mais ameno.

Os militares sírios reposicionaram parte de seu poderio aéreo para evitar danos colaterais de possíveis ataques com mísseis, disseram autoridades dos EUA à Reuters ainda na quarta-feira. O governo nega a autoria e recebeu endosso da Rússia, que disse não ter encontrado vestígios de substâncias químicas na cidade. In any event, the United States, under my Administration, has done a great job of ridding the region of ISIS.

Destacados oficiais israelitas e figuras de topo do regime sionista incitam o presidente norte-americano e o seu novo conselheiro de segurança, o fascista e militarista John Bolton, a lançar desde já mísseis contra o governo sírio. Prepare-se Rússia, porque eles virão, bons, novos e espertos!, escreveu. "Vocês não devem ser parceiros de um Animal que mata com gás o seu povo e fica satisfeito com isso!", citou Euronews.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, afirmou hoje que dispõe de "provas" de que o regime de Bashar al-Assad utilizou armas químicas num ataque contra a localidade rebelde síria de Douma. "Todas as opções, inclusive a diplomacia, estão na mesa", disse a secretária de imprensa. Ao mesmo tempo, o presidente se mostra relutante em tomar uma decisão, pois é claramente contrário a um envolvimento ainda maior dos Estados Unidos na guerra civil da Síria.

More news: STF julga habeas corpus de Palocci de olho em prisões preventivas

Para os russos, os capacetes-brancos, ligados à oposição síria e fonte das informações sobre o ataque, são "cúmplices rebeldes sem-vergonha" e buscam atrapalhar as negociações de paz.

O Tomahawk, uma das armas mais avançadas do arsenal americano, é um míssil de 5,53 metros de comprimento e 53 centímetros de diâmetro, que voa a 919 km/h e, em sua versão convencional, pode alcançar um alvo situado a 576 quilômetros de distância. O presidente russo, Vladimir Putin, condenou "o caráter inadmissível das provocações e especulações" sobre o suposto ataque com armas químicas.

Numa aparente resposta aos tweets de Trump, o Ministério da Defesa russo fala em movimentações da força naval norte-americana no mar do Golfo e que Washington faria muito melhor se pensasse reconstruir a cidade síria de Raqqa do que pensar em outros ataques. Enquanto isso, os EUA instam o Conselho de Segurança da ONU a adotar uma resolução que condene o uso continuado de armas químicas na Síria "em termos mais fortes" e estabeleça um novo grupo para determinar de quem é a responsabilidade pelos ataques químicos. Moscovo já advertiu contra qualquer acção na Síria que possa "desestabilizar a situação já frágil na região". A ação seria uma resposta ao ataque químico em Duma, onde morreram mais de 40 pessoas e cuja autoria os Estados Unidos atribuem à Rússia e ao governo sírio.

Related Articles