Temer discute nomes para novo ministério que cuidará da PF, esvaziando Justiça

Temer discute nomes para novo ministério que cuidará da PF, esvaziando Justiça

É bom lembrar o caso da criação da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos (SESGE), que serviria para atuar exclusivamente nas Olimpíadas, mas acabou sendo um instrumento para fortalecer a presença dos militares no Rio de Janeiro, um dos locais que mais tiveram as famosas GLOs (operações para Garantia da Lei e da Ordem) no ano passado.

A indicação dele conta com o apoio dos ministros palacianos e das bancadas carioca e gaúcha do MDB na Câmara dos Deputados. "O nome escolhido deveria ser da Polícia Militar ou da Polícia Civil", disse à reportagem.

A prerrogativa "oficial" desse Ministério, defendida pelo ministro da Justiça, Torquato Jardim, pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann, e pelo chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Sergio Etchegoyen, seria de "combate à criminalidade". O receio dele é de que uma troca possa causar um desconforto com as Forças Armadas. Para ele, se a pasta for criada, englobará as ações de investigação feitas pela PF, atualmente sob as asas do Ministério da Justiça. Segundo pesquisa interna do MDB, o tema é um dos que mais preocupa os brasileiros para o processo eleitoral deste ano.

"O nome dele está equivocado, não tem capacidade técnica para gerenciar a Segurança Pública".

Para evitar o desgaste na própria imagem que adviria da criação de um novo ministério, segundo a Folha de S.Paulo, o governo estuda devolver a pasta de Direitos Humanos (chefiada por Luislinda Valois, a que pediu aumento salarial como reparação pela escravidão) para o Ministério da Justiça, como era anteriormente.

More news: Em boa fase, Juventus e Tottenham duelam em Turim pela Champions

A ideia do presidente, que cogita disputar a reeleição neste ano caso melhore seus índices de aprovação, é de se antecipar ao pré-candidato do PSDB Geraldo Alckmin que já disse que criará a pasta caso seja eleito presidente.

O presidente voltou a discutir o desmembramento das atribuições do Ministério da Justiça - que hoje abriga a Secretaria Nacional de Segurança Pública - após o agravamento da violência no Rio e em outras partes do País.

A discussão da nova pasta também desvia o foco da reforma da Previdência que, para o governo, nos bastidores, tem poucas chances de passar na Câmara.

A Polícia Rodoviária Federal também sairá do MJ.

O Ministério da Segurança Pública deve ser anunciado nas próximas semanas. "Onde a PF vai estar é uma questão de segundo plano nesse momento", afirmou o emendebista.

Related Articles