Tomate aumenta 22% e puxa alta da cesta básica de Manaus

Tomate aumenta 22% e puxa alta da cesta básica de Manaus

As altas mais expressivas ocorreram em João Pessoa (11,91%), Brasília (9,67%), Natal (8,85%), Vitória (8,45%) e Recife (7,32%). Um dos vilões apontado por Eugênio Medeiros pode ser o valor do frete, influenciado pela variação quase diária do preço do óleo diesel.

Em contrapartida, sete itens ficaram mais baratos: o feijão (-5,27%), o leite (-4,55%) o açúcar (-3,28%), o café (-2,75%), o arroz (-2,62%), o pão (-1,88%) e a manteiga (-1,46%). No mês passado, a maior valor desembolsado para comprar itens de primeira necessidade foi registrado em Porto Alegre (R$ 446,69). O aumento tão acentuado acabou elevando também o preço da cesta básica como um todo em 2,59% em Manaus no mesmo período.

As menores taxas positivas foram anotadas nas cidades de Goiânia (0,42%) e Manaus (2,59%).

No acumulado de janeiro de 2017 a janeiro de 2018, 14 cidades apresentaram queda, com destaque para Manaus (-9,93%), Belém (-9,70%) e Salvador (-7,16%).

A pesquisa é realizado em 21 capitais do país.

More news: Sorriso: PRF apreende cerca de 20 tabletes de maconha

Em janeiro de 2018, o tempo de trabalho necessário para adquirir os produtos da cesta básica em Manaus foi de 82 horas 13 minutos, ligeiramente maior do que a jornada calculada para dezembro de 2017, de 81 horas e 35 minutos. Os menores valores médios foram encontrados em Salvador (R$ 333,98) e Aracaju (R$ 349,97).

Conforme o Dieese, em Porto Alegre a alta foi impulsionada pelos produtos in natura e pela carne.

Em janeiro, o preço até subiu na comparação com dezembro, mas a cesta básica está mais barata do que no ano passado.

O custo da cesta básica para o sustento de uma família de quatro pessoas (dois adultos e duas crianças, sendo que estas consomem o equivalente a um adulto) foi de R$ 1.069,44 durante o mês de janeiro deste ano.

Em 2017, o salário mínimo era de R$ 937,00 e o piso mínimo necessário correspondeu a R$ 3.811,29 (ou 4,07 vezes o mínimo então em vigor) em janeiro e a R$ 3.585,05 (ou 3,83 vezes o piso vigente) em dezembro. Para chegar a esses dados, o Dieese compara o custo da cesta e o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à Previdência Social.

Related Articles