PTB vai discutir indicação de Cristiane Brasil para o Trabalho

PTB vai discutir indicação de Cristiane Brasil para o Trabalho

A deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) é alvo de uma investigação do MPF (Ministério Público Federal) por suposto tráfico de drogas e associação para o tráfico durante a campanha eleitoral de 2010. A Polícia Civil do RJ investiga o caso desde 2010. A informação foi publicada pelo jornal O Estado de São Paulo e confirmada pela TV Globo. Eles são acusados de dar dinheiro a traficantes de Cavalcanti, bairro pobre da zona norte da cidade e uma das bases eleitorais da deputada. O autor da denúncia também disse que presidentes de associações do bairro foram levados para conversar com o chefe do tráfico na região por estarem se recusando a trabalhar para a deputada.

O inquérito também apura suposto envolvimento no caso do deputado estadual Marcus Vinicius (PTB), ex-cunhado da parlamentar, e três assessores dela na época.

A deputada federal também foi acusada de ter recebido caixa 2 nas eleições de 2014. E deve ser encaminhado à Procuradoria-Geral da República nesta segunda (5).

Também pesa sobre Cristiane Brasil ações trabalhistas. Ela afirma ainda que não foi ouvida no inquérito e nega veementemente que teve contato com qualquer criminoso. No final do ano passado, ela foi escolhida pelo presidente Temer para assumir o ministério do Trabalho. "É o PT e seu esquema no judiciário dando o troco por eu ter denunciado o mensalão, prefácio do petrolão, o maior escândalo de corrupção da história do mundo", escreveu.

More news: May contra direitos iguais para cidadãos da UE que cheguem após 'Brexit'

Cristiane Brasil foi nomeada ministra do Trabalho pelo presidente Michel Temer em 4 de janeiro.

No início da semana, a deputada federal divulgou um vídeo numa rede social falando sobre os motivos que vem impedindo a posse dela como ministra do Trabalho. Acionou o Superior Tribunal de Justiça, que liberou a posse.

Mas, dois dias depois, a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, suspendeu novamente a posse, de maneira liminar, até tomar uma decisão definitiva sobre o assunto. E que não se pode aceitar que investigações sejam engavetadas e movimentadas ao sabor das conveniências das autoridades para atingir a honra de agentes públicos.

Ao ser questionada sobre as investigações, a assessoria do deputado estadual Marcus Vinicius (PTB) disse que ele já prestou esclarecimentos sobre uma "denúncia anônima e alegou motivações políticas de algum adversário com a atuação do parlamentar nessa região".

Related Articles