Rodrimar desmente Rocha Loures no inquérito dos portos

Rodrimar desmente Rocha Loures no inquérito dos portos

Loures ainda disse o objetivo da conversa com Rocha não era fazer pressão sobre questões do Decreto, que estava sendo analisado na Casa Civil.

Ao contrário do ano passado, quando ignorou os investigadores e não respondeu nenhuma das 82 indagações feitas no âmbito de outro inquérito - sobre corrupção passiva, obstrução de Justiça e organização criminosa no caso JBS -, agora o presidente decidiu não se omitir.

O interrogatório do presidente é uma das últimas diligências do inquérito. De acordo com informações da TV Globo, o ex-assessor especial do presidente Michel Temer assegurou que sua relação com ele era estritamente profissional. Por meio de assessoria, Gustavo Rocha diz que "o pedido feito por Rocha Loures não foi atendido porque não tinha respaldo jurídico". Questionado pelos delegados da PF o que seria essa "exposição", Loures disse desconhecer essa afirmação.

More news: Separatistas querem reeleger Puigdemont presidente da Catalunha

O presidente Michel Temer vai entregar, na próxima terça ou quarta-feira, suas respostas à Polícia Federal (PF) no inquérito que apura suposta propina recebida por ele em troca do Decreto dos Portos.

A medida foi assinada por Temer no dia 10 de maio e aumentou o prazo dos contratos de concessão de áreas portuárias de 25 anos para 35 anos, podendo ser prorrogado até 70 anos, beneficiando as atuais empresas concessionárias.

Related Articles