Trump chama países de 'pocilgas', dizem parlamentares

Trump chama países de 'pocilgas', dizem parlamentares

O presidente dos Estados Unidos está novamente debaixo de fogo devido a alegados comentários racistas proferidos numa reunião com congressistas dos dois partidos, na quinta-feira, destinada a procurar um compromisso relativo à imigração.

Os meios de comunicação social norte-americanos, como o jornal The Washington Post, que citou fontes familiarizadas com o encontro, publicaram as declarações de Trump: "Por que razão temos todas estas pessoas de países de merda a virem para aqui?".

Trump já ofendeu imigrantes do Haiti, alegando que todos eles "têm AIDS" e afirmou que os nigerianos não voltariam "para suas cabanas" depois de ver a América, conforme reportagem do The New York Times de dezembro de 2017.

O comentário referia-se ao debate sobre a chegada massiva de estrangeiros do Haiti, de El Salvador e de nações africanas.

Em seguida, Trump perguntou por que os EUA não recebem mais imigrantes de locais como a Noruega. Trump tinha se reunido com a primeira-ministra norueguesa, Erna Solberg, na quarta-feira (10).

O Botsuana convocou o embaixador dos Estados Unidos naquele país africano e classificou as declarações de Trump "altamente irresponsáveis, repreensíveis e racistas".

More news: Assaltantes roubam milhões em jóias no hotel Ritz de Paris

El Salvador também demonstrou descontentamento, embora tenha sido mais comedido na reação.

Com sua decisão, Trump abriu as portas para sejam deportados. "Essa não foi a linguagem usada", escreveu. No desmentido, referiu-se apenas ao Haiti: "Nunca disse nada de depreciativo sobre os haitianos, para além de que o Haiti é, obviamente, um país pobre e problemático". "Eu provavelmente deva gravar as próximas reuniões - sem confiança, infelizmente", alfinetou. Ele relatou, em horário nobre e com a voz trêmula pela emoção, cenas do drama que acompanhou no país.

- Os comentários do presidente são mais uma prova de que sua agenda de 'fazer os EUA grandes de novo' é na realidade 'fazer os EUA brancos de novo' - disparou o deputado Cedric Richmond, líder do caucus (bancada) negro da Câmara dos Representantes.

"O Governo haitiano condena, com a maior firmeza, estas hediondas e desprezíveis palavras", que o presidente norte-americano já negou, na conta pessoal na rede social Twitter. Mas o senador democrata Dick Durbin, que participou do encontro na Casa Branca sobre imigração na véspera, confirmou a repórteres que Trump usou "linguagem vulgar", incluindo a palavra "merda".

Nesta sexta-feira, o presidente negou ter usado estas palavras.

Related Articles