Com reforma trabalhista em vigor, País fecha 12.292 vagas formais em novembro

Com reforma trabalhista em vigor, País fecha 12.292 vagas formais em novembro

O único setor em que as contratações superaram as demissões foi o comércio, que registrou a criação de 68.602 vagas.

Ainda assim, a pesquisa apontou redução do déficit de empregos no país.

Os trabalhadores intermitentes brasileiros contratados no mês de novembro têm, em sua maioria, até 29 anos, Ensino Médio completo e são principalmente mulheres.

O ministério não divulgou dados sobre o teletrabalho, para o qual a nova lei criou regra específicas. Segundo o técnico, a pasta vai orientar para o preenchimento correto nas informações do Caged de dezembro. Ele argumentou, entretanto, que esse resultado não indica interrupção no processo de retomada do crescimento econômico.

O saldo final de empregos gerados, considerando as contratações e demissões, também é positivo, mostrando que foram 215 admissões no período. O setor extrativista mineral admitiu 2 pessoas e dispensou 4 (-2).

O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, que pediu demissão ontem, minimizou o resultado.

De acordo com o Ministério do Trabalho, os efeitos das novas regras trabalhistas sobre o mercado ainda são residuais, pois só contemplaram dois terços do mês. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 27, e integram o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

More news: Presidente da Itália dissolve Parlamento e abre campanha das novas eleições

Como o Caged contabiliza a quantidade de vínculos, também pode incluir mais de um contrato relacionado à mesma pessoa.

Desde janeiro, foram criados 299.635 novos postos de trabalho.

Entre os setores com resultado negativo, destacaram-se a indústria de transformação, com 22.826 vagas fechadas.

De acordo com o Ministério do Trabalho, a expectativa é que, ao fim deste ano, o saldo de criação de emprego fique próximo a zero. O saldo positivo foi gerado pela diferença entre 72.343 contratações e 63.606 demissões. Em São Paulo, o saldo do Caged ficou negativo em 17.611, segundo o Ministério do Trabalho.

A Serra está encerrando o ano de 2017 com saldo positivo no que diz respeito à geração de postos de trabalho. Com salário que não deve atingir o mínimo, a contribuição previdenciária desse trabalhador deve ser feita à parte. Em relação à construção civil, disse que o setor é marcado por paralisação de obras em função do período de chuvas. Além disso, dessas admissões com trabalho parcial acima de 24 horas ficou em 321.

Em novembro, os principais responsáveis pelo resultado positivo do Espírito Santo foram o setor de serviço industrial e de utilização pública (1,51%), comércio (0,57%) e administração pública (0,09%). "Aumentamos a captação de vagas em 50% nesse ano, ampliamos a divulgação, estamos mais ágil no encaminhamento do profissional, por meio de seleção no espaço próprio - a Central do Empregador", afirmou a secretária de Trabalho, Lauriete Caneva.

Related Articles