Avaliação positiva do governo Temer sobe para 6% — CNI/Ibope

Avaliação positiva do governo Temer sobe para 6% — CNI/Ibope

A CNI (Confederação Nacional da Indústria) divulgou na manhã desta quarta-feira a pesquisa CNI-Ibope do quarto trimestre, com a avaliação do governo Temer. De acordo com os dados, a população do presidente oscilou positivamente, se comparado à última pesquisa realizada em setembro na qual 3% dos entrevistados avaliaram o governo como ótimo ou bom, 16% como regular, 77% como ruim ou péssimo e 3% não souberam ou não responderam.

Segundo o levantamento, praticamente seis em cada dez brasileiros avalia que o governo da presidente deposta Dilma Rousseff (PT) era melhor que o do peemedebista. E 90% não confiam em Temer, contra 92% em setembro.

A maneira de governar de Temer é desaprovada por 88% dos entrevistados, ante 89% no levantamento passado, mostrou a pesquisa. Os 3% avalizados em setembro deste ano tiveram acréscimo de 3 pontos percentuais, levando a popularidade do presidente ao patamar de 6% em dezembro. Neste grupo, o percentual dos que avaliam como ótimo ou bom cresce acima da margem de erro, (2 pontos percentuais), indo de 4% para 10%. Ela também é maior entre os homens, quando comparada às mulheres, e entre os entrevistados de maior renda familiar. O pessimismo é maior na região Nordeste, onde 76% dos entrevistados disseram acreditar que será péssimo ou ruim.

A pesquisa CNI-IBOPE ouviu 2 mil pessoas em 127 municípios entre os dias 7 e 10 de dezembro.

More news: Sporting em Santo Tirso nos `oitavos` da Taça de Portugal de andebol

Outro ponto questionado pelo Ibope foi sobre a confiança dos entrevistados em relação ao presidente.

As áreas com melhor avaliação são meio ambiente, combate à inflação e educação, com 17% de aprovação cada. As áreas com pior avaliação são impostos, com 90% de desaprovação; saúde, 88%; segurança pública, 86%; e taxa de juros, 85%. Na ocasião, 39% dos entrevistados avaliavam o governo como ruim ou péssimo. Pelo menos três em cada quatro brasileiros, ou 75% da população, desaprova essas áreas. Esse índice se manteve desde setembro.

"A própria reforma da Previdência, a gente ouve mais recentemente uma mudança no foco da campanha do governo, um foco mais direto, até no debate mais direto com toda aquela campanha contra que vem sendo feita pelas associações de funcionários públicos, o governo batendo mais de frente na questão de diferenças dos dois setores", disse Fonseca. Os que consideram a administração Temer pior seguem em 59%, enquanto os que veem o governo atual melhor passaram para 10%, ante 8%.

Sobre as perspectivas em relação ao "restante do governo", 7% responderam "ótimo/bom"; 20%, "regular"; 69%, "ruim/péssimo"; e 5% não souberam ou não responderam.

Related Articles