Theresa May não reconhece declaração de independência da Catalunha

Theresa May não reconhece declaração de independência da Catalunha

O governo da Espanha considerou ilegal o pleito.

Entretanto, após a declaração unilateral de independência por parte da Catalunha, o Senado espanhol acaba de aprovar o artigo 155 que suspende autonomia catalã.

"Continuamos a querer ver o estado de direito defendido, a Constituição espanhola respeitada e a união espanhola respeitada", frisou. O projeto de declaração unilateral de independência foi aprovado por 70 votos a favor, 10 contrários e dois em branco, num órgão composto por um total de 135 deputados.

O presidente francês, Emmanuel Macron, expressou seu apoio a Mariano Rajoy.

O parlamento regional da Catalunha aprovou hoje, em Barcelona, a independência da região e a separação de Espanha numa votação sem a presença dos principais partidos que se opõem à proposta, que abandonaram a sala minutos antes.

O governo brasileiro afirmou neste sábado (28.out.2017) que rejeita a declaração unilateral de independência da Catalunha.

More news: Empresário de Madonna mostra foto de casamento VIP com Michelle Alves

Os Estados Unidos consideram que a Catalunha é parte integrante da Espanha e apoiam as medidas de Madri para manter a Nação "forte e unida", disse o Departamento de Estado em comunicado.

"De acordo com princípios legais, estas decisões precisam ser tomadas no enquadramento constitucional", disse Andrew Leslie, secretário parlamentar do ministro de Relações Exteriores canadense, na Câmara dos Comuns.

"Nesse quadro [o da Constituição espanhola], que é o que corresponde ao Estado de Direito, é que deve ser tratada a questão catalã".

"Trata-se de um ato gravíssimo e fora da lei", avaliou, expressando uma "condenação firme" e "o desejo de que se possa restabelecer um diálogo".

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu a todas as partes que busquem soluções para a situação gerada após a declaração de independência "dentro do marco constitucional espanhol e através dos canais políticos e legais estabelecidos".

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, assegurou querer "uma Espanha unida".

Related Articles