"Temos acrescidas responsabilidades depois destas autárquicas" — Catarina Martins

A coordenadora do Bloco frisou que o partido foi um dos "que mais cresceu em votos nestas eleições autárquicas".

Catarina Martins mostrou-se bastante satisfeita com os resultados conseguidos nas eleições autárquicas deste domingo, mas realçou que ficaram por cumprir dois objetivos, a recuperação e vitória numa câmara e o conseguir colocar um 'travão' nas maiorias absolutas.

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) destacou a perda da maioria absoluta do PS em Lisboa e abriu a porta a um acordo neste município, adiantando que o assunto será discutido esta terça-feira em Comissão Política. E reitera que "é importante que à esquerda se encontrem entendimentos em autarquias". "Mas é preciso que quem ganhou a Câmara tenha vontade de o fazer", afirmou Catarina Martins, durante uma conferência de imprensa a partir da sede do partido.

"As maiorias constroem-se com base em conteúdos programáticos".

More news: "Benfica é o nosso adversário mais difícil" — Mourinho

"Nas eleições autárquicas de 2017, o BE cresceu em votos e mandatos", valorizou hoje Catarina Martins, admitindo, contudo, que os resultados "não escondem, no entanto, que o BE tem ainda uma presença modesta no mapa autárquico de Portugal". "O primeiro debate não é sobre pelouros, mas sim sobre programas", diz, dando como seguro que nos próximos dias existam conversas entre as duas partes.

Em Lisboa, onde o Bloco elegeu Ricardo Robles como vereador, os eventuais "acordos com base programática" terão de ter em conta as prioridades e os compromissos assumidos na campanha eleitoral, nomeadamente, a questão do número de creches na cidade, o investimento nos transportes públicos, a transferência da receita obtida com a taxa turística para os cofres da cidade e a criação de um verdadeiro programa público de habitação. "Não pode ser lido de outra maneira", responde. "Mas há uma diferença entre ter um resultado modesto e um mau resultado", insiste, defendendo que este resultado "traz novas responsabilidades" ao partido e recusando a ideia de que o reforço do PS nestas eleições possa ter impacto nas relações entre BE, PS e PCP na maioria de esquerda que sustenta o Governo.

"Para o Bloco de Esquerda era importante que a direita tivesse um resultado pior nas autárquicas e esse objetivo foi atingido", enfatizou, quando questionada sobre a votação do PSD.

O Orçamento do Estado para 2018 será um dos momentos para aplicar a estratégia.

Related Articles