Francisco pede mais "cultura do encontro" e menos "tentação de vingança"

Francisco pede mais

Em Bogotá, numa missa em que são esperadas 500 mil pessoas, a mensagem do papa será centrada na "defesa da vida".

"Gostaria de dizer que neste voo sobrevoaremos a Venezuela e pedir a todos uma oração para que possa haver diálogo, que haja uma boa estabilidade, com diálogo entre todos", afirmou Francisco em sua tradicional saudação à imprensa a bordo do avião, fazendo referência ao país que há meses vive protestos contra o presidente Nicolás Maduro.

"Que ninguém os engane, não se deixem perder a esperança", disse Francisco aos fiéis que se reuniram na nunciatura em Bogotá antes de lhes dar a benção.

"Apesar de obstáculos, diferenças e perspectivas variadas sobre a maneira de alcançar coexistência pacífica, esta tarefa (de reconciliação) nos ordena a perseverar na luta para promover uma cultura de encontro", disse aos dignitários, liderados pelo presidente Juan Manuel Santos. Francisco é o terceiro papa a visitar o país.

More news: Lula e Dilma são denunciados pela Lava Jato por organização criminosa

O papa tem previsão de chegar na capital colombiana às 16h30 (horário local, 18h30 de Brasília) e onde ficará até o dia 10 e visitará Bogotá, Villavicencio, Medellín e Cartagena das Índias. O evento contará com as presenças de vítimas e de algozes arrependidos.

As autoridades do Vaticano calculam que 700.000 pessoas devem saudar o papa ao longo do percurso de 15 quilômetros entre o aeroporto de Bogotá e a nunciatura. Ao dirigir-se aos colombianos, Francisco sublinhou que os actuais líderes políticos têm de resolver os problemas que levaram a essa violência.

O Papa reconhece "a constância em busca da paz e harmonia" do povo colombiano e assegura que a paz que a Colômbia "deseje e trabalha há muito tempo" deve ser "estável, duradoura, para nos vermos e nos tratarmos como irmãos, nunca como inimigos ".

A viagem do pontífice à Colômbia ocorre em um momento histórico para a Colômbia; em que começa a ser implementado o acordo de paz que o governo assinou novembro passado com o grupo guerrilheiro Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc); que já entregou armas e formou um partido político.

Related Articles