Petrobras: gasolina terá aumento de 3,3% nas refinarias a partir de amanhã

Petrobras: gasolina terá aumento de 3,3% nas refinarias a partir de amanhã

No reajuste atual, a alta será de 3,3% na gasolina e 0,1% no diesel. Na semana passada a companhia já havia anunciado reajustes de 4,2% e 2,7% para a gasolina, com os preços incidindo todos em setembro.

A Petrobras informa que o reajuste deve-se aos impactos do furacão Harvey na operação das refinarias, oleodutos e terminais de petróleo e derivados no Golfo do México. Como o limite foi atingido com os dois primeiros aumentos anunciados este mês, o Grupo Executivo de Mercado e Preços (GEMP) da petrolífera autorizou novos reajustes, de 3,3% para a gasolina e 0,1% para o diesel.

A Petrobras anunciou nesta segunda-feira, 4, mais um reajuste no preço dos combustíveis. Esses encontros acontecem, no mínimo, uma vez por mês.

Segundo a estatal, o objetivo é acompanhar a volatilidade dos valores no mercado internacional. Na sexta-feira, a cotação do combustível na bolsa já havia caído 2%. Desta vez foi usado o argumento de que os preços internacionais subiram com os impactos do furacão Harvey nos Estados Unidos.

Questionada sobre o assunto, uma fonte da Petrobras disse que o mercado de petróleo e derivados está se normalizando.

More news: Joesley Batista chama Temer de "ladrão geral da República"

Já o presidente da Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet), Felipe Coutinho, afirmou que a nova política não diminuiu a ociosidade das refinarias, nem fez a empresa reconquistar mercado. Os reajustes poderiam, desde então, ocorrer em menor espaço de tempo, com a possibilidade de ser até diários, dependendo das oscilações do preço do produto no mercado externo.

Segundo a ANP, na média Brasil a gasolina subiu 0,13% na bomba na semana passada, na comparação com a semana anterior, enquanto o diesel ficou praticamente estável, e o etanol avançou 0,7%.

Postos - Apesar das forte altas repassadas pela Petrobras à gasolina a partir de 1º de setembro, pesquisa realizada pela agência reguladora ANP apontou que distribuidoras e postos repassaram apenas uma pequena parte do reajuste.

São Paulo - As vendas do varejo de materiais de construção cresceram 4% em agosto na comparação com o mesmo período de 2016.

Related Articles