Maduro convoca jornada de solidariedade com a Venezuela

Maduro convoca jornada de solidariedade com a Venezuela

A Assembleia Nacional Constituinte instaurada pelo governo na Venezuelaaprovou nesta terça-feira a abertura de um "julgamento histórico" contra os dirigentes da oposição por supostamente pedir e respaldar as sanções econômicas ditadas pelos Estados Unidos contra o país.

"Os EUA condenam a convocação da ilegítima Assembleia Constituinte da Venezuela para julgamento da oposição política, incluindo membros da Assembleia Legislativa eleita democraticamente, com acusações de traição e de estarem envolvidos na crise econômica", indicou a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, em um comunicado.

O Governo chinês disse, ontem, que a história da política internacional mostra que a interferência externa e sanções unilaterais apenas deixam as situações mais complexas e não ajudam a resolver problemas internos dos países, depois que os Estados Unidos impuseram novas sanções à Venezuela.

More news: Borussia Dortmund contrata Andrey Yarmolenko — OFICIAL

O texto foi lido ao final da sessão de hoje pelo homem forte da Constituinte, o ex-ministro e vice-presidente do governante Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), Diosdado Cabello. Também declara como "traidores da pátria" todos os atores políticos nacionais com "carácter antivenezuelano" e solicita aos órgãos competentes o início imediato das investigações e processos judiciais para determinar a responsabilidade e correspondentes sanções. O mesmo decreto condena as sanções financeiras norte-americanas contra o Estado e contra a empresa estatal Petróleos da Venezuela (PDVSA), considerando essas sações como "ilícitas e ilegítimas". O decreto agradece ainda a solidariedade dos parceiros internacionais que apoiam a Venezuela e as ações do chefe de Estado.

Anteriormente, o presidente norte-americano Donald Trump chegou a sugerir o uso de força militar contra o governo Maduro, que por sua vez acusa Washington de tentar a derrubada do presidente venezuelano para ficar com o controle do petróleo do país.

Related Articles